14 de agosto de 2008

Sara Kostov, que esteve 15 minutos à espera para entrar no Sasha Beach, na praia da Rocha


Sem querer, ou pelo destino, deparei-me com esta notícia: 

Pensei. Voltei à notícia (!): A noite de anteontem era de festa para Sara Kostov, mas a modelo acabou irritada à porta do Sasha Beach, na praia da Rocha. A filha da relações públicas Tekas fez 23 anos e decidiu comemorar o aniversário com um jantar em família no espaço de diversão nocturno de Portimão. Mas, à chegada, foi barrada devido a um problema com os cartões de acesso. 'Já é a segunda vez que barram a entrada à minha filha este ano', disse Tekas irritada. Sara foi obrigada a esperar cerca de 15 minutos para entrar e chegou mesmo a ponderar abandonar o espaço antes do jantar, mas a mãe conseguiu mudar-lhe as ideias. Resolvido o mal-entendido, Sara Kostov festejou depois pela noite (...).

Pensei. Ainda estou a pensar enquanto escrevo. Gostava de ser, como a Sara Kostov, um homem empenhado de viver. Com atrito pelas pequenas e simples coisas. Perceber de cartões de acesso e das outras coisas invisíveis; ter aquela determinação que germina nos grandes homens e mulheres qual impulso e determinação. Saber "deixar" o "espaço" sem realmente nunca o deixar. Sei que não nos devemos comparar, mas quem sou eu? Eu, que esperei 5 anos para acabar um curso. Mais três para fazer um mestrado. Eu, que demorei um ano para investigar um tema que se quedou numa folha "A4". Eu, que recebo os livros que encomendo com 8 meses de atraso e não me zango. Eu, que esperei o amor. Eu, que espero e desespero para receber dos meus clientes. Eu, que procuro nunca "mal-entender" estou, no fundo, a perder a oportunidade do festejo após resolver! Sei que não tenho vida para a Sara Kostov. Não entendo o seu mundo. E por isso, nunca serei uma estrela.