18 de setembro de 2008

Claro amor


Como é claro o amor. Como é fácil. Como é possível viver sem ele?
Como é bom imaginar-me em raios de água, a desaparecer ao som de uma voz, que me diz, à minha frente, atrás de mim, que eu me perdi. Como é claro o amor. Como a luz que me olha como se eu tivesse acabado de nascer.



in-éditos, 1996