2 de outubro de 2008

2 de Outubro. 1995.


O dia mais feliz para mim. Tudo o que senti nesse dia ainda se mantêm. Através de ti acabei por descobrir que a vida é uma saudade permanente, misturada sem tempo sem explicações. No dia em que nasceste a tua presença confirmou muito do que eu acreditava e fez-me sentir uma esperança que eu há muito não sentia. Querida Joana. Minha querida Joana. Sinto-me como uma palavra, como um poema que pode acontecer. Estou nas tuas mãos como uma semente que quer ser atirada para nascer de novo, no berço-terra em que adormecia e com que sempre sonhei. É este amor que me dás que inunda e preenche a solidão que eu fui. És tu a clara luz que me diz para ver.


o pai que te ama
João