16 de outubro de 2008

Défice?

Qual défice? Do mercado? Da economia? E os outros défices? Não haverá ninguém responsável, ou que tenha tido responsabilidades, nestes governos, de há 34 anos para cá que assuma a falência em que nos encontramos? Porque se escondem os gestores políticos desta Bolsa trespassada em que se encontra Portugal? E o défice da cultura, da identidade, o défice da educação, da esperança, dos valores, o défice social, da legítima credibilidade e expectativa perante a lei? As questões da economia afluem quando procuramos e assumimos o detalhe! E quanto ao défice imaterial, estamos avisados do preço que isso nos vai custar?