24 de outubro de 2008

Há tanto pouco tempo


Zanga-te assim. Para que os meus sonhos, eu possa rever. Outra vez. A minha zanga. Zanga por zanga. Nervos por nervos. Calor por calor. Batida por batida. Respirar. Respira. Cai. Fala baixinho. Deixa-te estar deitada. Como há pouco tempo. Meu amor. Há tanto pouco tempo.


In-éditos, 1996