8 de outubro de 2008

Mundo grave



Vivemos e vamos vivendo num mundo grave. O abandono dos benefícios da cultura imaterial em prol do metal virtual está a produzir os seus efeitos. Não é desta recentíssima civilização on-line, ou civilizações sobrepostas – em que galgamos o tempo – é o sintoma dos novos valores, dos profetas/condutores das novas res-públicas de cidadãos ávidos, famintos apoiantes das "regalias" materiais. Os mesmos que proclamam os bens por direitos, o verbo ter-porque-ter-porque-iguais, irão pagar os ditos títulos. Com juros, acrescidos sobre o nada. Será mais fácil, a partir de agora, perceber a palavra Construir?