10 de novembro de 2008

Estamos cheios deles


Segundo nos é dado a ver, a todos, a República Portuguesa deve ter a maior percentagem de "antifascistas" e "resistentes antifascistas" do mundo. Nos media exaltam as biografias, de 3 linhas, destes personagens que nunca dão o salto para o próximo parágrafo, de um qualquer outro tema e para quem a "história de Portugal" se resume a 3 décadas e tal. Presumo que até deva existir uma "associação" com quotas mas sem partilhas de consciência. São personagens-piolhos que se atiram à cabeça e ao âmago em busca de fotos de grupo e inscrições nos manuais oficiais do regime. É caso para dizer: estamos cheios deles!