22 de janeiro de 2009

"Morrer por esta Pátria grande e linda"


Cativo está da castelhana gente
E uma ideia o consome pertinaz:
O castelo livrar do p'rigo ingente
E à execução se abalançou audaz.

Ao filho quer falar – diz – porque tente
Convencê-lo a render-se à boa paz.
O adversário convence, quando mente,
– E disto só o heroísmo é capaz –.

Chegado à fortaleza ao filho exorta:
– Maldito sê, se entrarem no Castelo
Sem pisar teu cadáver junto à porta! –

E morto cai. Mas vive o nome ainda
Na História dos Heróis. E como é belo
Morrer por esta Pátria grande e linda!


Maria Amélia Camossa Saldanha
"O Alcaide do Castelo de Faria", Barcelos, 1972
In Poesias, Porto, 1990

2 comentários:

cristina ribeiro disse...

A lealdade de Nuno Gonçalves...

João Amorim disse...

cara Cristina

O alheamento é grande em torno da nossa história. Os valores comuns tendem a perder-se.