10 de fevereiro de 2009

Identificar os ricos


Não fosse dito pelo primeiro-ministro e eu não me fixava 2 segundos nesta frase. Acho que o "1º" cometeu três erros graves nesta afirmação. Primeiro, levantou a capa da inveja rasteira e odiosa de uns. Segundo, sombreou a eficácia empreendedora de outros. É nestas afirmações que não me revejo na "esquerda moderna" permanentemente em busca por um Estado Identificador. Uniformizador. Este ministro, gastou toneladas de saliva a exortar o empreendorismo e a iniciativa privada. Agora, no fim da jorna, bisga na maioria dos semeadores da colheita. Se ele tivesse dito que ia "identificar" os desonestos, os incumpridores, os abutres, os chulos do governo e do Estado, em prol do altruismo-social, do carácter da cidadania e do país, eu repetiria duas vezes as suas palavras. Mas identificar o "rico" é por si só a afonia dos "pobres de espírito". Por último, o socialismo "socrático" demonstra ser o facho dos ressabiados quando lhe convém. Cuidado, pois o rastilho está implantado e mais faíscas destas podem fazer o cartucho explodir.

Sem comentários: