16 de julho de 2009

Ocupados

A respeito de um texto sobre a "pobreza" do Miguel Castelo Branco, que enquanto autor me deixa mais atónito pela sua lúcidez, eu gostaria de rematar um presuposto. Nos últimos 35 anos fomos mentalmente ocupados pelo complexo do progresso e da liberdade. Os ocupantes (ordes de ralé oportunista), todavia, não se aperceberam, devido à sua obcecação de conquista de poderes, que o país era habitado por homens e mulheres para quem chavões como progresso e liberdade eram realidades embuidas nesse sentimento tão português chamado Esperança. Ao fim destes 35 anos, mais do que frustração pelas mentiras vendidas, os cidadãos estão a sentir-se roubados. Não todos. Mais os ocupados, aqueles a quem o espaço no cérebro foi invadido por falas avulsas e vis, aqueles que acharam que passar a vida de punho cerrado no ar daria mais frutos do que baixá-los para construir. Salazar, o cruel "imperador do fascismo", não consegui roubar a esperança aos portugueses. Talvez por isso tanto se viveu o 25 de Abril. Mas hoje depois de tanto progresso e liberdade arremessada a Esperança falece, já inexistente. Vão ser precisos mais do que empregos e dinheiro perdido para recuperarmos a alma pátria. E ser pobre ou rico sem perspectivas é indiferente, principalmente quando tudo o que há para comprar é mais lixo demagógico e materialista. Estão aí mais duas eleições. Enquanto este regime vigorar e os ocupantes (pretendentes) descenderem da mesma linha mental e moral da ralé irresponsável que nos tem governado cada papel que se colocar na "urna" tornar-nos-à cada vez mais pobres.

14 de julho de 2009

Obituário


Mais um "resistente". Faleceu Palma Inácio. Lembro-me de um dia ver o meu saudoso avô a falar com este personagem num conhecido hotel no Luso, já vai para muitos anos. Em minha casa pouco se falava de política e quando se falava era mais sobre a vergonha em que Portugal se ia tornando, face a tanta modernidade. Sei quem foi este homem. Nunca me cativou pela prosa ou pelo estilo. Pelos jornais e tv's dizem-nos que foi um grande Anti-Fascista (Ah!, estatuto que supera na emoção qualquer Honoris Causa), enaltecem um sequestro de um avião e o assalto a 1 (?) banco. Só isto? Quão grande precisa de ser a resistência para palmar outros dítares e outros valores? Palma Inácio não foi isso nem foi aquilo que agora querem que seja; mas que a sua alma não tenha dúvidas que vai ser mais um para a grande Galeria dos Anti-Fascistas! E nisso este país dá cartas, historietas e medalhetas.

3 de julho de 2009

Saia uma loira avermelhada


A festa do Avante de 2009 promete, pelo potencial de novos ingredientes. Depois de terem levado com um "touro bravo" Pyongyang é o novo ingrediente exclusivo dos camaradas comunistas pelas terras do "querido líder".  Uma nova e revolucionária cerveja coreana loira avermelhada. Um dia tudo será vermelho-estaline. Um dia comeremos e beberemos todos do mesmo. Pena, para os comunistas, que não seja nesta martirizada terra.

A justiça funciona? Funciona...


Uns "jovens" ataram com algemas um tolinho lá da terra às grades de um café (onde estiveram todos a beber uns copos) e este foi encontrado morto pela manhã, disse a autópsia, afogado no próprio vómito. O juiz deu penas suspensas a todos os "jovens". Uma pergunta: a justiça funciona? Funciona... Houve atraso no processo? Não, até só demorou uns dois, três anitos. Então porque é que eu me sinto revoltado como se fosse um familiar do algemado? Também devo ser tolinho.... 

Antropologia da comunicação


E fez muito bem o sr. Pinho em clarificar a sua resposta. Na "câmara" (... como os comunistas disseram, que bem!) não se aceitam gestos obscenos, só intelectos obscenos. Como é possível tanta falta de ética moral, tanta berraria velhaca e demagógica e na essência os deputados só refutam os estilos da convivência e etiqueta social? O sr. Pinho, sentindo-se em casa, usou uma figura visual que não é pior do que muitas palavras (e a ausência delas) que vão sendo debitadas naquela "câmara". Ver deputados ressabiados com o sorriso de castigo bem dado ao menino mal comportado é a mostra suficiente de que a "câmara" é indigente e permite estes excessos. Bom seria os deputados preocuparem-se com o decoro ético, de serviço, que a "profissão" exige. Portugal não ficou chocado com as mãozinhas na cabeça do sr. Pinho. Portugal está em estado de choque por causa do que emana das cabeças da maioria destes deputados.

* Adenda. O sr presidente desta república também achou mal o "gesto"! Confinar a honra das "entidades" aos corredores e às redondesas da "câmara" é muito pouco! Ele que olhe para as ruas e rostos deste país e veja onde pára a democracia.