3 de julho de 2009

Antropologia da comunicação


E fez muito bem o sr. Pinho em clarificar a sua resposta. Na "câmara" (... como os comunistas disseram, que bem!) não se aceitam gestos obscenos, só intelectos obscenos. Como é possível tanta falta de ética moral, tanta berraria velhaca e demagógica e na essência os deputados só refutam os estilos da convivência e etiqueta social? O sr. Pinho, sentindo-se em casa, usou uma figura visual que não é pior do que muitas palavras (e a ausência delas) que vão sendo debitadas naquela "câmara". Ver deputados ressabiados com o sorriso de castigo bem dado ao menino mal comportado é a mostra suficiente de que a "câmara" é indigente e permite estes excessos. Bom seria os deputados preocuparem-se com o decoro ético, de serviço, que a "profissão" exige. Portugal não ficou chocado com as mãozinhas na cabeça do sr. Pinho. Portugal está em estado de choque por causa do que emana das cabeças da maioria destes deputados.

* Adenda. O sr presidente desta república também achou mal o "gesto"! Confinar a honra das "entidades" aos corredores e às redondesas da "câmara" é muito pouco! Ele que olhe para as ruas e rostos deste país e veja onde pára a democracia. 

1 comentário:

Nuno Castelo-Branco disse...

Ainda não percebia a razão da dita demissão!