4 de outubro de 2009

Sião


A providência levou-me a ligar a televisão ontem à noite. No canal que sintonizei fixei-me por largos minutos, e que sorte. Passava na TVi24 uma reportagem sobre a Tailândia. Não sei se vi desde o princípio mas deliciei-me com o conteúdo. Imagens belíssimas, texto bem escrito, uma repórter boa condutora da dicção e algumas entrevistas entre os quais ao Miguel Castelo Branco. Não tenho de esconder o meu orgulho em o conhecer pessoalmente. A prestação do Miguel, a sua paixão, a sua invulgar cultura, não ficou atrás das palavras do Embaixador Faria e Maya. O Miguel não é um mero investigador de doutoramento de passagem na Tailândia. É um Homem com um sentido de estado e de história que não se reporta a desabafos consoante as "tendências" nem conforme as "ondas". Para o bem, a sua postura no blogge "Combustões" tem sido uma marca neste país decorado de vulgaridade e falso modernismo.
Aproximam-se os 500 anos da chegada de Portugal à Tailândia. Não vai ser pela falta de empenho de embaixadores e de homens como o Miguel Castelo Branco que a efeméride não será relembrada. Temo é que em 2011, e sem "repúblicas" para celebrar, a República Portuguesa esteja mais autista do que hoje.

3 comentários:

cristina ribeiro disse...

Então estávamos em sintonia - também vi ( e nesse momento estava a ver a caixa de comentários do Miguel ) :)

Combustões disse...

Ó Grande Amigo
Eu estava doente nesse dia, com febrão de tirintar, com uma máscara de morte, mas correu bem. Um grande abraço
Miguel

João Amorim disse...

caro Miguel

A pequena entrevista foi pródiga e objectiva, aliás a sua contribuição foi importante para enriquecer as imagens de "postal" da reportagem.