24 de fevereiro de 2010

Portugal


O meu Portugal é o altruísmo. O meu Portugal é a memória-presente que desagua distante sem se perder numa permanente e reciproca corrente. O meu Portugal vive na emoção e na voz de um dos seus aristocratas. O Miguel Castelo Branco.

1 comentário:

Nuno Castelo-Branco disse...

Estes textos são de facto emocionantes, João.