21 de março de 2010

A presidência enquanto" interferencia" ou porque não acredito em "Presidências"

Eu não demiti o Governo, eu dissolvi a Assembleia. Só demiti o Governo mais tarde, um governo que tem Assembleia dissolvida pode continuar em funções.

Mas podia ter demitido o Governo, argumentando o irregular funcionamento das instituições.
As instituições funcionavam, mas o Governo era mau. O que faltava manifestamente era uma nova legitimação democrática, aquilo já não correspondia ao sentir das pessoas."

Quando um presidente da promíscua "República" interfere (porque vem de lá!) na gerência da política governativa a república está posta em causa.

– "Presidente" de todos os portugueses?

1 comentário:

Nuno Castelo-Branco disse...

Não, pobre menino rico do golfe. Parasita!