25 de agosto de 2010

A escumalha


Não tenho qualquer sentimento de perdão ou atenuante para escumalha que viola, agride, violenta menores de idade. Ontem, em V. N. Gaia, em plena luz do dia, uma menina de 15 anos foi arrastada para um ermo e violada por um "jovem" emigrante de 23 anos. O violador só largou a vítima quando achou que a havia morto por estrangulamento. Para além de ser violentamente agredida (esteve desmaiada várias horas) o violador levou os dois euros e meio que a jovem possuía consigo. Deve ter ido beber uma cerveja a seguir. Este criminoso foi apanhado e deve ter sido já presente a um juiz. É pena. Devia ter sido apresentado à família da vítima. Num ermo. Amanhã deve sorrir e voltar a passear nos shoppings e nas ruas com uma pulseirinha colorida com as cores da imoral (in)justiça Portuguesa.

*Adenda, 27.08.010: este verme foi presente a um juiz e ficou em prisão preventiva, sem que ninguém lhe limpe o sebo. O sebo imundo da escumalha.

2 comentários:

joshua disse...

Meu caro João, inteiramente de acordo. A "nossa" Justiça é imoral. Incentiva esse esterco criminoso: os cidadãos são o fiambre e o queijo entre, por um lado, os grandes corruptos e, por outro, esse tipo imundo de violentos.

Estamos manietados perante tal selvajaria permissiva. Abraço.

Nuno Castelo-Branco disse...

De onde era?