1 de janeiro de 2011

E a vida continua *


E a vida continua. Não adianta reparti-la por folhas ou agendas. Não adianta confiná-la a um período ou a uma emoção, a um fogacho ou a uma lenta visão. A Vida continua, sem calendários, organizada pelos únicos instrumentos de precisão que conheço: o sonho e o amor. Pelo sonho viajo, pelo amor fico. Pela viagem da memória, pelo ficar-permanência dos que me envolvem e envolveram, dos mortos que nunca o são. Assim, o tempo é algo que não ouso ter como meu, e talvez por isso seja possível numa só hora de vida viver toda a vida que os sonhos da fé, do amor, permitem. Até o tempo acabar.


* Neste início de ano, umas breves palavras, impotentes mas de alento pelo pesar, dedicadas ao Professor Vitor Vladimiro Ferreira

1 comentário:

George Sand disse...

belissimo texto!!!