26 de abril de 2011

Que filme


Ontem, dia 25, fui ao cinema com a família ver o filme de animação, em 3D, "Rio", que adoramos. Na viagem de carro até à sala uma rádio passava entrevistas feitas na rua ao povo de Abril. Retive estes comentários: "este feriado faz mais sentido que qualquer outro religioso, que deviam acabar". Carrega Abril. Depois outro, "o 25 de Abril veio instalar a República e trazer a Liberdade"; e por aí fora. É isto que resta de Abril! Uma animação. Se juntarmos todos os fotoramas, imagens dos capitães a ver quem fica com o quê, o povo a ocupar terras, as milícias das FP25, os "salvadores" a engordar, a loucura das cunhas a engrossar, os anti-ditadura a caminharem para a ditadura, os fundos perdidos no fundo do bolso dos escroques-políticos, o cimento a pavimentar este país... e por aí fora... temos um filme. Quem como eu nasceu antes desse ano de 1974 sabe que o 25 de Abril é por estes anos um sucesso internacional em 3D. O bilhete já foi mais barato, a película já esteve em melhor estado mas com a nova tecnologia socialista as várias dimensões de Abril são um espectáculo. Pena os bilhetes nos estarem a custar os olhos (que não temos) da cara.

2 comentários:

Nuno Castelo-Branco disse...

Seria tão mais simples olharem para a primeira página de qualquer jornal, porque Abril é mesmo isso e nada mais.

João Amorim disse...

A corja tem de ser alimentada. Sabemos como as revoluções acabam.