19 de maio de 2011

Outro



"Cannes oferece aos artistas de todo o mundo uma tribuna excepcional para apresentarem as suas obras e defenderem a liberdade de expressão e criação” e “e arrepende-se profundamente que esta tribuna tenha sido utilizada por Lars Von Trier para se exprimir com declarações inaceitáveis, intoleráveis, contrárias aos ideais de humanidade e de generosidade que regem a própria existência do festival". Foi assim que a administração do festival de Cannes considerou persona non grata o realizador Lars Von Trier após este ter dito que simpatizava com Hitler. Aparte a decisão do festival, que pode ser o que eles quiserem, o que me apoquenta é a seborreia e a hipocrisia da gente que aponta ao mundo os "ideais da humanidade". Tenho pavor deles. Esta gente, de Cannes ao Montijo, sempre a ultrapassar os outros pela esquerda, tem uma noção de ideia de humanidade construída com exemplos da mais fétida desumanidade. 

Sem comentários: