10 de agosto de 2011

Coitados


Após os crimes insanes de Oslo as páginas dos jornais encheram-se de comentareiros a falar sobre a extrema-direita, os mártires "jovens de esquerda", a exortar os benefícios do multiculturalismo e das sociedades do "deixa entrar e sustentar", como melhores exemplos, a apelar ao fim das políticas neo-liberais. Apenas se esqueceram de referir o perfil ideológico que o lunático Breivik ostentava quando se fotografou com o "avental". De facto, a boa esquerda portuguesa não se cansou do exercício ideológico em prol das suas lutas diárias, sempre a apoiar os totais direitos, irreversíveis, para todo e qualquer cidadão. Claro que os direitos acabam quando os cidadãos "enriquecem" pois deixam de ser cidadãos para passarem a ser ricos, logo... estão do outro lado do fosso! Esta forma de ver o mundo é o rastilho dos mais recentes incidentes. Para a boa esquerda toda a praxis sociológica passa pela "distribuição" da riqueza. Distribuir. Retirar. Alimentar sem cultivar exemplos de cidadania empreendedora e altruísta. 
O que se passa em Londres bem podia ser uma resposta aos apelos das boas esquerdas quando pedem que os cidadãos se revoltem de todas as formas contra as políticas, curiosamente, as mesmas políticas que permitiram a sobre-lotação de emigrantes de toda a espécie. Mas não é. São, sim, actos marginais e criminosos perpretados por cidadãos muito queridos para a boa esquerda. Alguns bons homens de esquerda já nos avisam que isto pode acontecer por cá! Coitados daqueles jovens ingleses, tão afoitos. Coitado, também, do jovem louco Breivik.  

Sem comentários: