19 de agosto de 2011

Uma República dos Ateus


O "Presidente" da Associação Ateísta Portuguesa diz hoje numa entrevista ao DN que acha muito bem a manifestação dos ateus, laicos, homossexuais e "indignados" em Madrid e que, se pudesse, gostaria de ter ido. Também eu gostaria de ter ido, para manifestar a minha fé. Depois diz que em Portugal os ateus devem manifestar-se contra os poderes da Igreja ( visto que "existem cada vez menos católicos"), contra os privilégios das Misericórdias. Para este "Presidente" o Estado devia assumir tudo e retirar "os benefícios que a Igreja goza em campos como a educação e saúde". O que este "Presidente" não disse era se, caso a Igreja fosse expulsa ao estilo do tempo e modo do "mata-frades", a sua  associação (e os associados) passaria a oferecer sopa, roupa e carinho às milhares de famílias e abandonados que recorrem (e sempre recorreram) às instituições de inspiração cristã. Coitados dos desesperados na "República dos Ateus"...

Sem comentários: