23 de dezembro de 2011

Ai, ai

Em vésperas de Natal, esse momento que inebria até os ateus, os comunistas portugueses mostram a sua génese humanista, fraternista e demais hipocrisia filhadaputista. Então não é que o índio Jerónimo não aprovou um voto de pesar pelo Vaclav Havel, isto quando dois dias antes chorou a perda do querido líder coreano? O que se passa na cabeça dos estalinistas portugueses? De cada vez que ouço um comunista defender os "trabalhadores" já sei onde desejavam que os trabalhadores lavrassem: algures num gulag idílico, de boca calada, em fato macaco com uma tatuagem do camarada Cunhal nos miolos. Ai "povo unido", ai, ai, não te desunas, não...

Sem comentários: