14 de dezembro de 2011

A culpa não é deles


Agora que chega a época das prendas a criminalidade parece aumentar, ainda mais. Os "jovens", criminosos, não terão mãos a medir. Ele é as prendas para a namorada, os pais, os melhores amigos, os ipod's, os iphone's e o mais que o socialismo radioso prometeu: direitos para tudo e penas brandas e macias com toque de pulseira da moda. A culpa não é destes "jovens". É daqueles que "roubam aos pobres" e daqueles que têm mais que os pobres. No fundo, todos os que não são delinquentes são culpados pelos que o são. E se não há desculpa uma desculpa haverá na cabeça pensadora da grande esquerda para ilibar os "jovens" dos actos menos próprios, inclusive dos crimes de sangue. Haverá, também, quem se lembre que no fundo os criminosos são gente sem amor e por isso com direito a dar porrada e a martirizar. E assim estamos três décadas após the one and only 25 de Abril! Mas até os políticos (do autarcazinho ao ministro) que abusaram do poder, roubaram, mentiram, agiram de forma irresponsável e de forma leviana, e nos conduziram à triste realidade que nos encontramos, não têm que se preocupar. A culpa, também, não é deles.


2 comentários:

George Sand disse...

João nunca tina pensado nos furtos nesses termos...presentes de Natal...
O facto é que a criminalidade soma e segue

João Amorim disse...

A prenda no sapatinho dessa escumalha é uma pedra (ou bala) no nosso sapato.