29 de maio de 2012

Limpeza


Pouco se me dá que o ministro Miguel Relvas se deva demitir ou possa ser demitido, o que sei é que estamos em guerra e, numa guerra, são necessários homens de coragem para a frente de batalha, que não tenham medo de lutar. Se este ministro deu tiros no próprio pé, eu agradeço. Fazendo parte, ou não, presumo que sim, da Maçonaria, nunca se falou tão abertamente das lojas maçónicas e dos seus membros, nunca tantos maçons foram expostos e colocados em causa, nunca os serviços de segurança nacional foram tão, claramente, confrontados como agora. De facto, este ministro, para o bem, faz falar e faz mexer. No anterior governo socialista ninguém piava – ninguém, com responsabilidades na governança – e tudo isto já existia. Porventura a relva tem de ser aparada mas ninguém cresce, ou se notabiliza, sem um verdadeiro desafio. As ervas daninhas estão a estrebuchar, sentem que estão a ser arrancadas pelas raízes. Que este ministro, e o governo, não se coíba e se acovarde nesta batalha contra o défice da dívida pública, nesta batalha contra o sistema daninho dos que vivem instalados nos benefícios do poder, nesta terra, há décadas, pôdre e contaminada. Primeiro, que se limpem as contas. Depois, que se trate de limpar a República.

Sem comentários: