16 de julho de 2012

A maior hipócrisia



A partir de uma denúncia do Centro Simon Wiesenthal (vulgo associação caça nazis) descobriu-se mais um "nazi" que não merece viver; não um general ou ministro mas um polícia do gueto de Kassa, na Húngria. Os criminosos devem ser perseguidos. Todos. Sou da opinião que os crimes nunca devem ser esquecidos; a "prescrição" técnica é uma imoralidade que se paga cara. Mas devem ser perseguidos todos os criminosos, todos, não apenas os de conveniência política ou ideológica, e convém de uma vez por todas declarar (unívocamente pelos Estados) o que é a "guerra" e "crimes de guerra". Que as associações judaicas se entretenham a manter viva as "chamas" de Auschwitz é um assunto deles mas que também não esqueçam os milhares de judeus que morreram às mãos do comunismo, as deportações, violações e trabalho escravo no Cazaquistão e na Ucrânia. Convém, também, nunca esquecer que um larga maioria dos membros do partido comunista, à época de lenine, eram judeus e, por ironia, o "mentor" da ideologia comunista era um judeu de nome Karl Marx. Quem quiser, e ousar, pode constactar que numerosos judeus foram criminosos na II Grande Guerra, mas como se envolveram em vários pactos com o regime soviético não convém falar nem expandir a propaganda anti-comunista. 
A dualidade, a subjectividade, a tensão, a paixão com que certa gente trata a epopeia nazi ante a epopeia comunista é uma das maiores hipócrisias da linguagem moral contemporânea.
Tenho asco do nazismo de Hitler mas mais asco tenho do comunismo silenciosamente apoiado pelos nojentos hipócritas que se escusam no "holocausto" para lavar as suas mãos. Só ouvirei e olharei de facto para a léria do "extermínio" quando os mesmos moralistas começarem a sangrar o comunismo e a julgá-lo imparcialmente. Eu sei que custa. O nazismo durou 10 anos. O comunismo continua hoje em dia a lavrar os seus crimes e os seus apoiantes mascaram-se, "tranquilamente", sem vergonha, no termo "esquerda", essa praia onde desagua tudo quando é demagógico e decadente. Tão nazis que os actuais comunistas eram se pudessem.

1 comentário:

Nicolau da Romênia disse...

Judeus, os Maiores Assassinos e criadores do comunismo judaico com 100 milhões de cadaveres!