13 de setembro de 2012

Pro Dignitate


Para além da imagem gráfica da "instituição" a comunicação aos leitores não perdoa o uso da fotografia da fundadora. Estou curioso para saber se vai ser extinta, deixar de ter apoios estatais ou ser-lhe retirado o estatuto de utilidade pública; tal desenlace, também, aguardo sobre a do seu marido que recebeu, só entre 2008 e 2010, 1,272 milhão de euros de apoios financeiros públicos! Talvez não. Não é provável fazerem-se cortes numa fundação onde pontua a "Dra. Maria de Jesus Barroso Soares, que iniciou em finais da década de quarenta um combate sem tréguas pelos direitos humanos, lutando nomeadamente pela liberdade de opinião e de expressão e a instauração de um regime democrático em Portugal". Um combate sem tréguas.

Sem comentários: