6 de setembro de 2012

Escuta-me.


Ainda não foram destruídas as escutas telefónicas gravadas no âmbito do processo “Face Oculta” e que envolvem o ex-primeiro-ministro José Sócrates. O presidente do Supremo Tribunal de Justiça, Noronha de Nascimento, ordenou, em Dezembro de 2010, a destruição imediata das referidas escutas mas pelos vistos o juiz Raul Cordeiro, que está com o processo teceu um despacho há três meses em que sugere que a coisa “será executada oportunamente”! Sabendo que parte dos juízes supremos são maçons, sabendo que parte dos espiões têm relação com a maçonaria, sabendo que a República é sabida e incontinente a escutar – esse ouvido afinado que vem da I República, com os trauliteiros, e se desenvolveu na PIDE – podemos estar descansados que os grandes orientes velarão pelos nossos direitos.
Através destes episódios, adquirimos a certeza de poder falar sem receios com telemóveis e telefones, falar mais do que a fala permite; podemos pedir para ser ouvidos, inclusive. Escuta. Escuta-me. Estou descansado.

Sem comentários: