19 de setembro de 2012

O "pai da democracia"


O pai da democracia prossegue a educação dos seus pródigos e bastardos e diz que o presidente da república deve nomear um governo da salvação (quantos já deveríamos ter tido?) sem recurso a eleições. Como certas frases não são para levar a sério, posso considerar que o sr. Soares anda a cogitar a instabilidade governativa porque a estabilidade política não é essencial para decorrer a democracia, pelo menos esta que temos! – O governo de coligação está "moribundo", diz, em que estado estará o delator?

2 comentários:

Paulo Cunha Porto disse...

Meu Caro João Amorim,
sem qualquer componente volitiva, quando li a qualificação de «moribundo» vinda de onde veio, assaltou-me a lembrança da velha expressão "diz o roto ao nu"...

Abraço

João Amorim disse...

caro Paulo

Chega a ser confrangedor assistir à passagem do lavatório entre políticos, nesse lava-mãos colectivo e hipócrita, perante a "situação".

abraço