2 de outubro de 2012

A fasquia


Segundo esta notícia os exames do 12º ano vão passar a incidir sobre a matéria dos últimos 3 anos, ou seja, a matéria do 10º do 11º e do 12º ano. Entretanto, os alunos vão passar o ano lectivo a estudar a matéria do 12º ano. Depois terão um mês para estudar a matéria dada acrescida de dois anos lectivos anteriores. Parece-me que o mistério da "educação" está-se a treinar colocando a fasquia acima das "marcas nacionais"! Para o governo, não se trata apenas de escrutinar mas de apurar estatisticamente o "universo", da satisfação dos "progressos". Será um salto arriscado e muitos irão cair com as costas no chão o que me leva a perguntar: qual o objecto dos exames? Qual a lógica da sua calendarização? Porque não o prolongamento desta lógica no ensino superior, porque não a obrigatoriedade de exames transitórios com recurso obrigatório a fontes dos anos precedentes? Como estamos habituados à anarquia dos curriculums escolares poucos se indagam sobre as nuances na vida escolar. Eu dou uma ajuda. Porque não o exame de 12ºano deste ano incidir sobre a matéria dos últimos 8? Ou será que na forma de extensão de conhecimento esta já incide? 


1 comentário:

Marcos Gonçalves disse...

Não é so a altura em que as regras foram definidas, mas o facto de se promover o decoranço em vez do estimulo à aprendizagem...

http://oestadoactual.blogspot.pt/2012/10/o-buraco-negro-do-ensino-portugues.html