17 de outubro de 2012

Maria, a poeta, as mamas da República e a ousadia


Uma das manifestantes (ver foto em baixo) que mostrou as mamas (eu, se fosse à outra desnudada punha um processo à comunicação social por depreciação)  contactou o Correio da Manhã e enviou estas palavras: "aquilo que conta dizer é a ousadia do amor de quem o diz. Que ele é que é o verdadeiro operante da mudança que já está em curso no meio de nós". "Estamos aqui, não temos medo quando amamos. Peço por todas as nossas relações!", "Maria. Manifestante. Poeta. 30 anos." Também ficamos a saber que a Maria tem apelido e chama-se Archer e é, para o dito jornal, o novo "busto da República"! O diário constacta que ela pertence à "alta burguesia Lisboeta". – Peço, desde já, daqui, que o jornalista explicite o que quer dizer "alta burguesia Lisboeta" porque eu gosto de ser concreto com as palavras e neste momento de igualitarismo republicano não posso ficar a pensar que afinal as classes sociais existem! – Maria intitula-se "poeta". Poetisa? Não interessa, também sabemos que é artista plástica, actriz e argumentista. Os amigos disseram ao jornalista que ela nem costuma ir a manifestações e que tudo aconteceu por acaso "A ideia não foi dela, começaram a despir-se e a Maria aderiu espontâneamente.". Bem me queria parecer... mas, eis que outro jornal, o JN, adianta: "A artista plástica, natural de Lisboa, "estava a meditar", exercício que "pratica para matar o que é supérfluo", em frente às grades, antes de se despir"...
Ocorre-me uma pergunta: o que é que mostrar as mamas na rua, no meio de uma manifestação política, tem a ver com o amor? O que é a ousadia do amor de quem o diz? Será que é aquilo que a Maria nos quis dizer quando mostrou as mamas?
Ficamos à espera das novas ousadias de Maria nas próximas manifestações.

3 comentários:

Paulo Cunha Porto disse...

Ó Meu Caro João,
eu acho é que foi uma opção perigosíssima: se o Ministro Gaspar tiver uma libido para ali orientada, ainda pode fazer-nos a vida mais negra para obter desnudamentos suplementares...

Abraço

Nuno Castelo-Branco disse...

"Alta burguesia de Lisboa"? Explico-lhe o que é, vivo mesmo pertinho do pouso preferido: É a selecta malta do Elefante Branco, onde as burguesas cobram 300 Euros a bandeirada. Como vê, podem até ser ricas e nem pagam imposto. Apenas cobram pelo frete...

João Amorim disse...

caro Paulo

LOl.. e não é por acaso que nesta terra se diz: "anda com as calças na mão"....

caro Nuno
Há um certo jornalismo que gosta de ampliar os factos, ampliar as classes, ao ponto da subida promover o escárnio e o desdém. Não estou a falar de "alta burguesia", que isso até soa bem nesta rasca República, digo quando os mesmos jornalistas se referem às "famílias tradicionais".