7 de dezembro de 2012

88


No dia de aniversário de um dos carrascos de Portugal, o pérfido Mário Soares, deixo aqui uma prenda com 28 anos, por altura do resgate do FMI, estando este sujeito como primeiro-ministro: péssimo aniversário.

“[O desemprego e os salário em atraso], isso é uma questão das empresas e não do Estado. Isso é uma questão que faz parte do livre jogo das empresas e dos trabalhadores (...). O Estado só deve garantir o subsídio de desemprego”. 

Entrevista ao JN, 28 de Abril de 1984 

“O que sucede é que uma empresa quando entra em falência... deve pura e simplesmente falir. (...) Só uma concepção estatal e colectivista da sociedade é que atribui ao Estado essa responsabilidade. 

Entrevista ao JN, 28 de Abril de 1984 

 “Anunciámos medidas de rigor e dissemos em que consistia a política de austeridade, dura mas necessária, para readquirirmos o controlo da situação financeira, reduzirmos os défices e nos pormos ao abrigo de humilhantes dependências exteriores, sem que o pais caminharia, necessariamente para a bancarrota e o desastre”. 

Entrevista à RTP, 1 de Junho de 1984 

2 comentários:

Paulo Cunha Porto disse...

Percebo o título, Caro João: a figura que faz quem por duas vezes deixou o País feito num oito!

Abraço

João Amorim disse...

Por duas? Eu vejo uma capicua de muitos oitos!

abraço, caro Paulo