26 de dezembro de 2012

Abre-olhos


O final do ano ficou animado com o abre-olhos do caso "Baptista da Silva". Pelos vistos os mais prestigiados órgãos de informação foram ludibriados pelo falso curriculum do falso académico da ONU. Foram ludibriados porque o curriculum era uma mentira não porque nas mesas e plenários redondos a prosa do sr. Silva não fizesse abanar afirmativamente a cabeça pensadora dos intervenientes no decapanço político. Não fiquei um milímetro admirado. Para mim, todos, ou quase todos, os "analistas" ludibriam as plateias não por falsos curriculuns mas por falsas especialidades nas matérias. Abundam Silvas nas televisões informativas! São homens e mulheres que respondem com cara serena a todas as perguntas de A a Z, desde as capas dos jornais diários passando logo para questões de desarmamento na Coreia do Norte e dali para a especulação financeira nas Antilhas. Pergunto-me como é que esta gente está tanto tempo a ser filmada e ouvida? Será por falta de capacidades cerebrais do povo indígena, sempre a precisar de uma ajudinha de "quem sabe"? Que este episódio sirva para abre-olhos do que nos servem para entretenimento! Que ninguém tenha dúvidas... os programas com mesas redondas e quadradas são para nos fazer rir, e embarretar; rir de temas que não têm piada nenhuma!



2 comentários:

Paulo Cunha Porto disse...

Meu Caro João,
é evidente estratégia, de fixação de audiência para uns, de anestesia, para outros: enquanto o pessoal está deslumbrado a escutar o especialista que lhe dirige diagnósticos sonantes e justifica o injustificável nada faz de consequente para apear a clique.

Abraço

João Amorim disse...

Se pensarmos que fica mais barato contratar uns pensadores e preencher as grelhas do que adquirir, ou produzir, conteúdos de qualidade ficamos com uma ideia do "objectivo" destes canais, ditos, de "informação"...

abraço