27 de dezembro de 2012

Duas notas sobre a decadência da República Portuguesa


Nota 1) O défice demográfico nacional é assustador se comparado com os demais países europeus e um dos piores do mundo. Só no primeiro semestre deste ano ocorreram mais do dobro de óbitos do que nascimentos, em comparação com o ano todo de 2011. Não são as pessoas que estão a morrer precocemente (antes pelo contrário a esperança de vida aumentou) os nados é que não são procriados e, dos que enfim, muitos são abortados! A previsão que em 2030 seria a década da tragédia para o estado cobrador de impostos e do fim da sustentabilidade do estado-social deve ser antecipada. Os factores são inúmeros, já aqui tenho escrito em demasia, elejo o desfecho trágico da propaganda pós-25 contra os valores da família. A crise também pode funcionar como desculpa mas é muito recente e é cuspe que descola com argumentos de facto.

Nota 2) Nos inícios de novecentos Portugal tinha cinco milhões de habitantes. Na década de 40 tinha dez milhões de cidadãos....! De lá para cá não duplicamos coisa nenhuma a não ser, nos últimos seis anos, a dívida pública. A culpa é da PIDE.




2 comentários:

Paulo Cunha Porto disse...

Não esquecendo que transformaram as Mulheres em homens, colocando-lhes o dilema de carreira versus maternidade.

Abraço, Caríssimo João

João Amorim disse...

Muito bem visto.

abraço, caro Paulo