3 de dezembro de 2012

Notícias de última hora


A índole desta notícia sugere que um jornalista deve ter acesso a tudo a bem do "direito de informação" que, pelos vistos, também está consagrada no rolo de papel higiénico que apelidam de Constituição da República. A par do subsídio ao aborto, pago pelos contribuintes, a nossa moderníssima república cria (aborta) umas criaturas que recorrem à particular Constituição para exigirem tudo e qualquer coisa. Fico satisfeito pelo tribunal não ter permitido a consulta, já basta o fisco, digo, a polícia fiscal, espreitar por todas as frinchas. Caso o tribunal despachasse a favor do jornalista veríamos muita gente armada em jornalista a consultar as sizas, os valores dos carros, os salários, prémios, as dívidas dos vizinhos, cunhados e amigos. A não ser que o jornalista pretenda uma excepção para os encartados do jornalismo, o que seria grave e colocaria qualquer um ao sabor da subjectividade noticiosa. Seja com Cavaco Silva ou com outro Silva qualquer, a intimidade deve ser acautelada de estranhos e a violação da mesma deve ser despoletada por razões fundamentadas de um tribunal civil ou fiscal. Bem sabemos como os jornais gostam de notícias de última hora!


2 comentários:

Paulo Cunha Porto disse...

Ora, o atalho mais curto para atacar quem não prezamos não é fazê-lo suspeito de crime ou irregularidade?
Nada de novo debaixo do Sol, o ECCLESIASTES é que a sabia!

Abraço. Meu Caro João

João Amorim disse...

As pilhas nunca acabam no que respeita à inveja e ódio pelo alheio.

Abraço, caro Paulo