14 de dezembro de 2012

O ódio dos pequeninos


Em Londres suicidou-se uma enfermeira que havia dado informações, inadvertidamente, sobre a estadia num hospital da Duquesa de Cambridge, Kate Middleton. Os episódios recentes podem ser relidos aqui. A enfermeira tinha um nome português, Saldanha. Talvez por isso os portugueses não ficaram indiferentes. E não. Nas redes sociais, nos blogges e nos jornais on-line os comentários não se fizeram esperar. Na maioria destilam o ódio dos pequeninos contra a monarquia (essa inveja de ignorância do que é o regime monárquico e de quem, efectivamente, se julga mais que os outros), as "igualdades", as benesses, os tratamentos de excepção, muitos inventam as maiores doidices para a enfermeira, prováveis doenças mentais ou desequilíbrios. Ninguém pensou que a sua morte possa ter ficado a dever a algo distinto, um desespero de carácter. Os pequeninos odeiam e não respeitam ninguém. O ódio pelo alheio é uma barriga afrontada de ressabiamento. Pequeninos. 


3 comentários:

Paulo Cunha Porto disse...

Sobretudo porque a canalização dos juízos negativos deveria fazê-los desaguar em quem impensadamente recorreu a falsificações para brilhar um poucochinho.
É a Crise, mais grave ainda que a material.

Abraço, Meu Caro João

João Amorim disse...

Muito mais grave. O dinheiro vai e vem, os valores não se compram.

abraço, caro Paulo

Anónimo disse...

Nascemos e morremos todos iguais... sem nada!