26 de fevereiro de 2013

Grândolização


O responsável pela "descolonização possível" saiu de convalescência para participar numa homenagem a um apoiante activo do Regicídio. Pelo meio falou da "Grândola" sem deixar de focar que foi exilado! A voz e o cérebro de Mário Soares são o melhor exemplo da estagnação mental e cultural do povo português. Mesmo o povo não sendo parvo, a quantidade de palavreado vomitado nos últimos cem e tal anos levou que uma apatia colectiva aceitasse a influência de uma cultura económica e política exterior à nossa natureza chã, génese e tradição comunitária. Os resultados estão à vista e é contra eles que o responsável pela "descolonização possível" fala denotando uma esquizófrenia na visão do problema. Adiante. O responsável pela "descolonização possível" devia acomodar-se e aceitar que outros governantes também estejam a viver o momento "possível"...! já Aquilino, que tantos dizem ser um escritor, bem cedo escreveu com armas o seu ódio-panteão para esta República em permanente grândolização.




2 comentários:

Paulo Cunha Porto disse...

Ora, Meu Caro João, como não há-de o homem estar grato à Grândola? Mão foi um tenor dela que lhe aplicou o tabefe que o levou a Belém durante 8 anos, quando tanta gente no País passava por dificuldades análogas às de hoje?

Abraço

João Amorim disse...

caro Paulo

E o que os jornais disseram na altura? Porque não criticam os jornalistas da mesma forma, apenas potenciam?

abraço