4 de fevereiro de 2013

Renunciar sem Glória


A deputada do partido Socialista tem a sorte da camaradagem entre deputados! Óbvio que todos bebem, uns para 0,5 outros, outras, para 2,4 gr/l. Se fosse da "bancada" PSD, se fosse o Ministro Relvas, Glória pediria a renúncia sem glória do opositor e ouviríamos a esquerda exigir um auto-STOP. Uma coisa parece-me mal, é atirar as culpas para a bebida, isso não se faz. Para Glória o erro não a obriga a renunciar. Não ouvi nenhum camarada da assembleia a pedir a dita, mas Glória sabe que nesta República não há leis morais que a obriguem a renunciar, só direitos. Pelo menos que renuncie ao bezegol.


3 comentários:

Paulo Cunha Porto disse...

O Amigo João sempre é de uma impiedade!
Claro que a Legisladora, movendo-se a álcool, queria dar aos seus Concidadãos e Eleitores o exemplo em matéria de poupança no consumo dos derivados do petróleo!
Merecia um louvor! Olhe, acharia adequadíssima a Ordem da Liberdade...

Abraço

João Amorim disse...

Lol... meu caro, não deixe que a sua simpatia e sobriedade iniba a justeza dos actos da Exª Deputada, no mínimo a Ordem da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito, logo pela manhã e, depois de um almoço bem regado e bem conduzido, a meio da tarde, a Ordem da Instrução Pública.

grande abraço,

Textículos disse...

Chris Huhne: A political career in ruins, and all for three penalty speeding points
http://www.independent.co.uk/news/uk/crime/chris-huhne-a-political-career-in-ruins-and-all-for-three-penalty-speeding-points-8480727.html