15 de abril de 2013

A induvidável leveza do ver


As estações de televisão andam às aranhas com as questões das audiências. Para subir o seu share a RTP convidou o antigo primeiro-ministro do Portugal não pode parar e pensou que ia ter 99%, no mínimo. As últimas novidades dizem que o programa comentareiro daquele que se apresenta com o nome de baptismo perdeu clientes e foi o 20º mais visto: 757 mil pessoas! Serve esta introdução para levantar uma questão: as medições fazem-se por televisores ligados ou pela plateia doméstica? Sim, porque em frente a 1 televisor podem estar 6 almas (incluindo o cão) ou estar apenas 1, ou nem estar nenhuma. Posto isto 757 mil aparelhos ligados a ouvir um aluno de filosofia é muita coisa para quem devia andar perturbado com a vida real. Em Portugal somos ligeiros, muito leves, também, por isso, a forma de medir audiências se faça numa induvidável leveza do ver.

2 comentários:

Paulo Cunha Porto disse...

Meu Caro João,
e, ao contrário do que os Sportinguistas estabeleceram, a propósito de Liedson, aqui, o Levezinho nada resolve.

Abraço

João Amorim disse...

Eh, eh, pois não, pelos vistos, tal como o país, está em banhos de resolução.

abraço,