15 de maio de 2013

O que diria a Aldinha se fosse visitar os nossos hospitais IPO?



Enquanto a maioria das pessoas tenta sobreviver às doenças e tece preçes para ter saúde, uns tantos "pedem" para morrer! Lendo a "estórinha" de Alda, fico com a convicção que muita desta gente anda a reboque de umas quantas injecções de ideologia fracturante. O que diria a Aldinha se fosse visitar os nossos hospitais IPO? Que professaria e aconselharia aos doentes, alguns muitos jovens, que Lutam por um resto de Vida? Que diria a Aldinha se fosse visitar os doentes da APPACDM, onde os acamados e dependentes, alguns muito jovens, Lutam por mais um sorriso, mais um dia? Fecharia, a Aldinha, todas as máquinas dos doentes em coma, dos doentes cardio-assistidos? O que receitaria a Aldinha aos hemofílicos, aos diabéticos?
Se a Alda quer morrer que não coma. Que desista, que prove que a sua desistência está na sua consciência não no arbítrio, anti-natura, de uma "lei". Se a Alda quer morrer mas não se quer "magoar" que beije a ferrugem das linhas do combóio, vai ver que é arrastada menos tempo que os processos nos tribunais!

2 comentários:

Anónimo disse...

Que diria o blogger se estivesse na pele e tívesse as vivências da Alda?

João Amorim disse...

caro anónimo

A extrapolação que eu faço sustenta-se na boa saúde de Alda; quanto ao que eu faria está bem implícito no meu texto. Acompanhei, sofri e acarinhei os últimos tempos da minha mãe que faleceu víctima de cancro, tinha eu 24 anos. Sei muito bem o que é estar com alguém que no pico da doênça e do sofrimento nunca desistiu de viver.