5 de janeiro de 2014

Silva Ferreira. O que eu espero.


Eusébio, Silva Ferreira, Português, Moçambicano [(como dois dos meus maiores amigos-influentes, (lisboetas)], faleceu. Foi astro maior do desporto futebolês. Ícone de um, privado, clube nacional, com honras a 3 dias de luto, tem, por estas horas, toneladas de Mbytes de informação policopiada. Eu vi jogar o Eusébio!!! Vi-o com a camisola do Beira-mar, ao vivo, na altura em que o clube-mãe o tratou como um bastardo, contra o meu "Leixões" e o meu "Porto" por mais que uma vez. Mas, já na altura, eu sabia quem era o pantera negra. Por azar, nunca o vi jogar contra o Fernando Gomes, para mim, o melhor jogador penínsular de todos os tempos. Eusébio pode ter sido, pela "imprensa", o melhor jogador de futebol de "Portugal"! Espero que sim. Pelo seu talento, porque seria uma homenagem aos africanos-portugueses! Contudo, Eusébio foi, como outros tantos, uma fachada para certas políticas e negócios ideológicos. O "Património de Estado", que nunca pode sair do país quando pôde, foi nos seus recatados tempos um brinde clubístico pago com uma avença, tardiamente, despudorada.
Não tenho dúvidas que Silva Ferreira (nome de pai Português!) irá ser proposto, pela turba marada politicamente correcta, para o panteão nacional. Eu não me oponho. Era a melhor "deixa" para o "panteão nacional" ser aquilo que merece!! Para mim, mesmo que jorrem a maior das críticas, o Panteão Nacional, de Portugal, está na Igreja de S. Vicente de Fora. Que o jogador Eusébio "honre" a "ética republicana" e afins...

Sem comentários: