25 de fevereiro de 2014

O povo??


Após semanas de combate a insurreição "pró-CEE" atingiu os seus fins e proclama vitória. Ianukovich é agora procurado como uma assassino de massas e um novo poder irá ser partilhado com uma minoria que não conseguiu nos votos atingir esse direito. Convém não esquecer que a "crise ucraniana" iniciou-se logo após as eleições. Prognósticos só no fim do jogo, como declamou um dos maiores filósofos portugueses, João Pinto, quando comparado com a Filosofia Portuguesa, mas Vladimir Putine e Medvedev não se ficam pelas palavras mansas e bajulantes. Por cá, bem sabemos como ocorreu o fim da Monarquia e o que os bandalhos exercitaram durante décadas. Já nem me vou referir à bandalheira revolucionária que se pretendia instalar após 1974 e cujas maleitas ainda estamos a pagar. O que importa questionar é a validade de uma revolta popular e a valia da sua índole. Não tarda a guerra civil é um estado natural da vida comunitária e a agressão gratuita é aceitável porque sim. Entretanto, os che guevaras locais andam excitados com mais uma "vitória popular" e não fazem por menos ao desejar o estilo ucraniano (bem mais organizado que o estilo primavera) para pôr cobro ao neoliberalismo que assassina o povo português! O povo? Que lindo foi ver o povo tão treinado, tão armado, tão organizado.

1 comentário:

Texticulos disse...

Isto é rapaziada que se aplicou nos estudos em Belgrado, toda a protecção, logistica e fluxos de informação é decalcada, com algumas nuances, do programa do "Centre for Applied Nonviolent Action and Strategies" http://www.canvasopedia.org/index.php/who-we-are

Experiência egipcia
http://www.foreignpolicy.com/articles/2011/02/16/revolution_u