6 de março de 2014

De um trapo fazer uma camisola


A "nossa" selecção de futebol tem um equipamento digno de reparo e arroto. As cores verdes-tintas passaram a vermelho-tísico e não se cuíbem a contrariar, mais uma vez, as regras da boa visualização cromática. A cruz da FPF, vermelha, viva, sobre o vermelho, morto, é uma tese. O friso verde, engolado, é um doutoramento. No fundo, nada contra, pela minha parte, pois disto de cores "nacionais" a Nike, americana, bem tentou em fazer parecer melhor do que o trapo em que a maioria se revê.

Sem comentários: