27 de junho de 2014

O patriotismo foleiro e manipulado, provocado pelo futebol, entrou de férias



O patriotismo foleiro e manipulado, provocado pelo futebol, entrou de férias. Até ao próximo jogo de apuramento para o "Euro 2016" os portugueses não vão baixar os braços, nem o trapo verde-tinto, e vão exigir de si tanto quanto exigem pela "selecção"!!!!

23 de junho de 2014

O dito "Constitucional" é um Espelho do nosso país


"O tribunal (constitucional), ao zelar – e bem – pelo cumprimento da Lei Fundamental, zela, do mesmo passo, pela conservação de toda a "tralha" socialista que nela se contém e que, como escreveu Henrique Raposo, impede a Direita de governar, como tem demonstrado a experiência em curso." Maria de Fátima Bonifácio escreveu isto e escreveu bem. O teor do seu texto é meigo face à situação. Mais do que um Tribunal o dito "Constitucional" é um Espelho do nosso país. Atrasado, no tempo, arredado da práxis, actual, reaccionário e avesso à mudança, autista face à conjuntura, exige que a realidade se adapte ao texto e não o texto à realidade. Por outro lado, para os pais dos "direitos" estes existem intocáveis porque feitos por eles para nós e se se quiser retocar a Constituição, que dizem ser "nossa", não pode ser porque o caminho para o Socialismo é longo, único e infinito.

19 de junho de 2014

Escabrosa república


Felipe VI é o novo Rei de Espanha. Que reine bem para o seu povo é o meu desejo. Por cá uma associação de republicanos laicos diz-se do lado dos republicanos espanhóis, uns 8%, nas últimas sondagens; não contentes com a escabrosa república portuguesa os republicanos laicos desejam repúblicas para todo o mundo e universo, repúblicas em cada casa, em cada restaurante, em cada orquestra, em cada canteiro, em cada empresa. Repúblicas, até na cama. De cinco em cinco anos sai um e entra outro homem na cama de cada mulher.

Foto: Público

17 de junho de 2014

A intolerância dos tolerantes, a democracia dos democratas, a liberdade dos libertários


A intolerância dos tolerantes, a democracia dos democratas, a liberdade dos libertários* encontra o seu signo maior na Constituição da República Portuguesa.

* (porque a "República" tem medo de um referendo popular ao regime??

13 de junho de 2014

Faces

Do Facebook

Isabel II, 88 anos, soberana há 62, segura o seu próprio guarda-chuva. Anne Hidalgo, 54 anos, eleita nem há 2 meses para a Mairie Parisiense, precisa de alguém que lhe segure o guarda-chuva que, diga-se de passagem, é bem menos fashion que o da Rainha. Os socialistas e as suas necessidades.

Porventura faz


Gosto de ler poesia. Descendo de poetas (oitocentistas), neto de poetisa, filho de um poema vivido, sempre li versos com os meus olhos de sempre, sem necessidade de me exaltar. Poucas vezes os poetas da minha afeição foram alvo de elogios públicos por parte dos "especialistas". Prosas há que detêm mais poesia numa vírgula que versificações, de nome, que nada são senão a conjugação das últimas sílabas! Nesta pátria mal amada, ser "poeta" é tudo se se lavrar uma "poesia" com o pendor ideológico correctinho e se frequentar os lugares adequados (vulgo, referências esquerdóides e marxistas). Depois há os "críticos" que fazem os poetas, que os "percebem" e os "traduzem". Entre os "génios" encontra-se, para a "crítica", o Herberto Helder, cujo último livro dizem ser filho de um “génio criador indiscutível”! Génio Criador! Sobre Criadores, o referido epíteto, dito e razurado por Rosa Maria Martelo, faz-me lembrar o meu serralheiro, Gomes Moreira. Genial, na lide e nas particularidades técnicas dos aços, Criador, pela façanha que desenvolve todos os desafios e pela singularidade da arte final, Indiscutível, pela sua qualidade. Mas fará Gomes peças poéticas como Herberto? Porventura faz. Pena que não não hajam "ensaístas" para além dos que se crivam no "papel". Tanta falta faz um Ensaio a quase tudo. Tanta poesia que não cabe em folhas de papel, que não sai dos génios criadores indiscutíveis, tão só da alma e coração de Homens que não se exibem nos jornais e nas seitas ideológicas, no amiguismo partidário, tão somente de pessoas verticais e íntegras, tão só, Poesia que se colhe da existência altruísta.

4 de junho de 2014

Nunca esquecer, camaradas: Tiananmen


Há 25 anos fez-se um massacre na praça de Tiananmen em prol do "Socialismo" comunista e do "bem do povo". Os camaradas, que andam de cuspe na boca com o "faxismo", andam muito calados sobre este episódio. Não admira. A propaganda e a culpabilização dos pecados do mundo recaem sempre, na óptica dos camaradas, para a "direita" faxista. Os comunistas têm, também, outra simpática característica: não perdoam a história dos outros enquanto se fazem esquecidos da sua própria história. Os imbecis, os imbecilizados e os distraídos abanam a cabeça e erguem os punhos. Os jerónimos caseiros passeiam, a Constituição omite, a comunicação social não se interroga (porque minada pelo complexo de uma suposta "intelectualidade" pseudo-altruísta) mas se os fascismos e nazismos não são toleráveis porque se permite a existência de um Partido Comunista?


2 de junho de 2014

E Viva do Rei


Sim, Viva um novo Rei em Espanha... mas, particularmente, o meu Viva vai para o futuro Afonso VII de Portugal. Ao contrário da neblina, da propaganda jacobina e facciosa, do fulanismo militante, que nos diz falsamente que "todos" podemos aspirar a ser "presidentes", da junta maior, a Monarquia é o espelho do amor ao país quando a abegnação material se transfere para a voluntária dissidência em prol da Pátria. Cento e quatro (péssimos) anos provam-nos que não ficamos melhores com os fantoches Presidentes de interesses particulares. Não devemos seguir exemplos nem ouvir exemplares. Portugal tem futuro se regressar ao modelo da imparcial vigilância que vele pela Democracia que tanto almejamos.

1 de junho de 2014

É a vida. A fome é muita e todos querem ter lugar à mesa.


Não fora a "vitória" nas "Europeias" e o tacho não tinha ido a lume. É a vida. A fome é muita e todos querem ter lugar à mesa. Nos próximos meses Seguro vai jantar sózinho.